Categorias
vendas

Precisando pintar seu imóvel?

Definir cores de um ambiente, ou da parte externa, nem sempre é uma tarefa fácil.

Preparamos algumas dicas para ajudar e ter um resultado satisfatório.

Inicialmente, precisamos aprender algumas definições básicas sobre as cores.

De uma forma bem resumida, elas são classificadas em:

Cores primárias: são chamadas de cores puras ou verdadeiras e são o vermelho, o amarelo e o azul. Essas cores não são produzidas a partir da mistura de outros pigmentos coloridos. A partir delas é possível fazer todas as outras cores, com exceção do branco.

Cores secundárias: verde, laranja e roxo, são geradas a partir da mistura das cores primárias.

Temos ainda as cores terciárias, que são originadas a partir da mistura de uma cor primária com uma secundária, ou seja, as cores terciárias são todas as outras cores.

Dentro das combinações de cores temos a monocromática, que é formada por  variações de tonalidades dentro da mesma cor.

Existem outras formas de combinar cores, a partir do Círculo Cromático, que é composto por 12 cores. Uma ferramenta muito utilizada na hora de criar e harmonizar diferentes tonalidades.

Usando este círculo, podemos obter vários tipos de combinações, que irão nos levar a resultados diversos, como nos exemplos abaixo:

Se combinarmos cores opostas como, por exemplo, o azul e amarelo, chamamos de combinação complementar, e o seu resultado proporciona energia e vivacidade ao ambiente.

A combinação de três cores usa três tons diferentes, pulando um espaço de quatro em quatro. Exemplo: podemos pegar amarelo, pular quatro espaços e chegamos aos tons azulados, mais quatro espaços e chegamos aos tons violeta. Essa combinação gera uma  paleta bastante harmônica e vibrante.

Combinações análogas permitem que se use de duas até cinco cores, uma ao lado da outra no círculo. O resultado é um efeito de calmaria, formado pelo famoso degradê. Apesar de permitir até cinco cores, o indicado, neste caso,  é utilizar apenas três tons para não perder o foco.

Além dessas, existem outras variedades de combinações:

Em fenda: esta combinação consiste em escolher uma cor primária e duas complementares. Os dois tons devem estar opostos à cor primária. Por exemplo, violeta, amarelo e verde. Menos intenso que a combinação de três cores, este esquema conta com um leve contraste.

Quatro cores: as quatro cores do círculo cromático podem ser ligadas pelas pontas de um retângulo, ou seja, o esquema consiste em uma cor primária, duas complementares e mais outra que proporciona um destaque maior entre as três primeiras. O resultado é uma composição bonita, colorida e cheia de sincronia.

Quatro cores em quadrado: usando quase o mesmo esquema da combinação anterior, esta composição consiste nas quatro cores ligadas pelas pontas de um quadrado, ou seja, de três em três tons, seguindo o círculo cromático (deixando sempre a mesma distância). A combinação concede ao espaço uma atmosfera de vivacidade e um toque de descontração por meio de sua paleta colorida.

Veja estas combinações no diagrama abaixo:

Já está percebendo que, aplicando a forma certa, a tarefa de escolher cores pode ser até divertida e ter um resultado positivo, harmônico e bem sincronizado?

Uma outra situação: como funciona a cor PRETA no ambiente?

É recomendada para espaços de estudo e escritório, pelo fato de representar sabedoria e profundidade espiritual. Proporciona um aspecto elegante, mas é uma cor que deve ser usada com muito cuidado, para não criar uma atmosfera pessimista ou “pesada” ao ambiente.

E o BRANCO?  A cor branca é responsável por atribuir leveza e amplitude ao ambiente. Perfeita para lugares pequenos, pode compor qualquer área da casa. Se utilizada com tons vibrantes, confere equilíbrio entre as cores. O branco sempre dá a ideia de um ambiente clean.

Posso utilizar o CINZA em quais situações? É uma cor perfeita para paredes, transmite emoções como estabilidade, independência e autocontrole. Também combina com diversas outras cores. Vale a pena investir na predominância dessa cor juntamente com tons fortes e vibrantes.

Vale ressaltar que, em ambientes internos, a cor da parede irá guiar o restante da decoração, por isso escolha com cuidado e sabedoria para não se arrepender depois.

Esse é um assunto do qual poderíamos falar por muitas páginas, porém nosso intuito aqui é dar uma “pincelada” sobre o tema e, quem sabe, te encorajar a conhecer mais!

Categorias
vendas

ALVENARIA ESTRUTURAL

Você sabia que o nosso edifício Cinque Sensi tem uma forma diferente de construção? Sim, estamos utilizando o método da alvenaria estrutural.

Neste espaço, vamos explicar, de uma forma bem simples, como funciona este processo construtivo.

A alvenaria estrutural é uma tecnologia construtiva tradicional, utilizada há milhares de anos. Porém, nos últimos 30 anos, ela apresentou grandes e visíveis avanços, tornando-se um processo construtivo, racionalizado com normas técnicas seguras e consistentes.

Basicamente, é definido como um processo construtivo, em que as paredes são elementos resistentes compostos por blocos, unidos por juntas de argamassa capazes de resistir a outras cargas, além do seu peso próprio (PENTEADO, 2003; CAVALHEIRO, 2006). Esta tecnologia é também conceituada como um processo construtivo, que se caracteriza pelo emprego de paredes de alvenaria e lajes enrijecedoras, como estrutura suporte de edifícios e dimensionada a partir de um cálculo racional e de confiabilidade determinável (SABBATINI, 2003; FRANCO, 1992; CAVALHEIRO, 2006).

Ou seja, trata-se de um sistema de construção em que as paredes da edificação fazem a função estrutural, não sendo necessário o emprego de vigas e pilares para a sustentação do edifício, substituindo o método tradicional de concretagem.

Como grandes benefícios desse método, podemos citar a redução no consumo de formas de madeira, aço e concreto, rapidez na execução, melhor organização no canteiro de obra e maior cuidado com o meio ambiente, já que se diminui a produção de entulhos dentro da construção. Tudo isso permite à alvenaria estrutural adequar-se tanto a obras populares quanto nas de padrões mais elevados.

Quer saber mais sobre o CINQUE SENSI? Venha nos fazer uma visita!

Texto de Gabriel Cirino Lima

Engenheiro Civil

Categorias
vendas

Planeje seu lar

Cada vez mais as pessoas estão buscando praticidade no seu dia a dia.

No ambiente doméstico, móveis planejados, além da beleza que trazem ao espaço, fazem com que a vida se torne mais fácil e saudável.

Por isso, pensando no bem-estar de quem vai montar seu lar é que vamos falar hoje sobre os móveis, o quanto faz diferença se forem planejados para cada ambiente, pois planejar cada área da sua morada é uma ótima maneira de aproveitar melhor seu espaço e adaptar tudo de acordo com sua necessidade.

Ao final, você terá um espaço personalizado com seu estilo, lindo e prático. Muito bom, né?

Banheiro, quarto, cozinha, sala de jantar, estar, social, lavanderia: todos os cômodos da casa podem ser totalmente concebidos para deixar do jeitinho que você quer.

O primeiro passo é definir bem o que se deseja e, também, se cabe dentro do orçamento. Se algo precisar ficar de fora nesse momento, escolha o que não é prioridade para você. Há vários profissionais no mercado que podem ajudar nessa definição e no desenho dos móveis, inclusive eles possuem muitas ideias que vão se encaixar no seu orçamento.

Só peça estimativa de valores nas lojas depois de ter tudo bem definido, desenhos prontos e com medidas.

Observar locais de tomadas e interruptores pode ajudar bastante para que tudo dê certo. Conferir as medidas pela empresa que vai fazer os móveis também é uma dica de grande importância, para evitar dores de cabeça na hora da montagem.

Procure pensar em todos os imprevistos que podem ocorrer, por exemplo, ao furar paredes é essencial saber onde está o encanamento e, também, os fios de luz. Os imóveis da Grigol Incorporadora são acompanhados de um manual do proprietário, que contém todas essas informações.

Busque compor móveis práticos, de acordo com o que cada ambiente necessita, como, por exemplo,  onde serão colocados eletrodomésticos, fornos, máquinas de lavar, entre outros.

A ergonomia posiciona objetos utilizados no dia a dia para que seu uso seja mais agradável, gerando conforto e promovendo a saúde. O conceito já é aplicado em ambientes de trabalho, e lares também devem priorizar móveis ergonômicos para a qualidade de vida.

O mobiliário deve ser feito para a necessidade de quem os usa e, ao serem planejados, é possível oferecer qualidade de vida aos usuários. Isso porque o mobiliário adequado previne o aparecimento de dores e lesões.

Não faça nada provisório para mudar mais tarde. Se seu orçamento não permite mobiliar todas as peças, deixe as menos importantes para depois. E quando puder faça do seu gosto. Assim, sua casa vai ficar linda e prática! É o que desejamos para você!

Um grande abraço e até o próximo blog.

Milene Fracasso Grigol